Prova de vida ganha novas regras com envio de selfie e mantém suspensão programada até setembro

Prova de vida ganha novas regras com envio de selfie e mantém suspensão programada até setembro

Anualmente, aposentados e pensionistas precisam efetuar a prova de vida do INSS. Porém, por conta da pandemia, essa prática está suspensa até o dia 30 de setembro. O prazo final se encerraria na última segunda-feira (13), porém a medida visa diminuir as chances de contaminação para aqueles que frequentam as agências do INSS.

A informação foi publicada no Diário Oficial da União (DOU), pelo Ministério da Economia. Vale ressaltar que, as visitas técnicas para a prova de vida também estão suspensas, desde o início da pandemia no Brasil.

De acordo com informações da Secretaria de Gestão e Desempenho de Pessoal do Ministério da Economia, mais de 700 mil pessoas estão sendo afetadas pelas mudanças.

A prova de vida exige a presença do segurado em uma das agências do INSS. Ela é importante para garantir que o mesmo continue recebendo seu benefício de forma regular. Caso não possa comparecer, o beneficiário pode enviar um representante legal.

No ano passado, foi liberada a realização da prova de vida através do aplicativo ‘Meu INSS’. Existe a possibilidade de efetuar o processo também pelo site da instituição, principalmente em casos de beneficiários com mais de 80 anos. 

Além disso, essa possibilidade serve para qualquer segurado que tenha dificuldades de locomoção, mas que seja comprovada por meio de laudo ou atestado médico.

 

Reabertura das agências do INSS

O governo federal prorrogou o atendimento remoto, nas agências do INSS, até o dia 31 de julho. Dessa forma, a reabertura gradual será realizada a partir do dia 3 de agosto. Mas lembrando que pode haver mudanças até lá.

Em nota oficial, a instituição falou sobre a reabertura gradual. “O atendimento presencial foi definido pelos dirigentes da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho e do INSS após nova avaliação das informações apresentadas pelo grupo de trabalho responsável pelo plano de ação de reabertura indicar que um número reduzido de agências cumpriria todos os requisitos estabelecidos até a data anteriormente prevista”.

O aplicativo “Meu INSS” pode ser baixado gratuitamente através da Google Play Store ou Apple Store. Está disponível para usuários Android e iOS (Iphone). Pelo portal, é possível acessar através do endereço https://meu.inss.gov.br/central/.

 

Prova de vida com "selfie"

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) deve iniciar em agosto, com novidade, uma nova etapa de testes para que aposentados não precisem realizar a prova de vida anual em uma agência bancária. Para tanto, deverá ser usado o reconhecimento facial a partir do envio de uma 'selfie' do beneficiário. 

Para realizar a nova  prova de vida , o aposentado deverá tirar uma foto de si próprio com o celular e submeter essa 'selfie' à verificação do sistema do INSS. A iniciativa, porém, é um projeto-piloto que envolverá apenas uma pequena parte dos aposentados, cerca de 550 mil beneficiários.

No ano passado, também em agosto, o  INSS já havia anunciado testes com biometria para substituir a prova de vida tradicional e presencial. Neste ano, sobretudo por conta da pandemia, é importante pensar em uma forma de evitar que idosos se exponham aos riscos de contrair o novo coronavírus (Sars-Cov-2), já que são parte do grupo de risco, isto é, que estão mais propensos a serem contaminados.

O INSS não dá detalhes de como pode ser feita essa análise das  selfies dos aposentados , mas uma posssibilidade é fazer comparações com documentos com fotos em nome dos beneficiários, como a Carteira Nacional de Habilitação (CNH), que precisa ser atualizada a cada três anos para quem tem mais de 65 anos.

Outra opção seria fazer com que os aposentados se apresentassem uma vez para cadastrar sua imagem e, a partir disso, pudessem fazer a prova de vida à distância com a comparação entre a imagem cadastrada e a nova enviada pelo aposentado. Ainda não há, porém, a definição de uma diretriz para o teste do INSS.

 

Fontes: Terra e Ig Economia


Imprimir   Email
0
0
0
s2sdefault